O MERCADO

Metrô-DF é a primeira empresa do sistema metroviário a desenvolver Gestão de Riscos

Metrô-DF é a primeira empresa do sistema metroviário a desenvolver Gestão de Riscos

Companhia se antecipou às exigências da Lei das Estatais e mapeou áreas de risco em todos os departamentos

A Companhia do Metropolitano do DF (Metrô-DF) é a primeira empresa do sistema metroviário brasileiro a desenvolver ferramentas de Gestão de Risco. Essa foi uma das informações abordadas durante o 6º Debate da Lei das Estações no Metrô-DF – Governança Corporativa, Gestão de Risco, Integridade, Ética e Transparência.

A gestão de risco nas empresas públicas é um das exigências da Lei nº 13.303/2016 (que estabelece o Estatuto Jurídico das Empresas Estatais e suas subsidiárias). Antes mesmo de a legislação entrar em vigor o Metrô-DF já havia iniciado o seu planejamento estratégico e deu início à Gestão de Risco na companhia, com o auxílio da Controladoria Geral do DF (CGDF).

O 6º Debate da Lei das Estatais fechou o ciclo de palestras na empresa, que tiveram início no dia 15 de janeiro passado. O objetivo foi explicar o impacto da nova legislação, que preveem mudanças estruturais na empresa, com impacto no trabalho dos empregados. Cada debate abordou um tema relacionado à Lei, entre eles, independência em relação ao governo, responsabilidade sócio-ambiental, ética e integridade.

Participaram do evento, na sede da empresa, em Águas Claras, o Controlador Geral do DF, Henrique Moraes Ziller, o presidente do Metrô-DF, Marcelo Dourado, o secretário de Mobilidade do DF, Fábio Damasceno, o presidente da Seção Ferroviária da Confederação Nacional de Transporte (CNT), Rodrigo Vilaça, o diretor de Acompanhamento de Ouvidorias das Áreas Social e Econômica da CGDF, Rodrigo Vidal, entre outras autoridades.

O primeiro a apresentar o tema foi o assessor jurídico Tiago Isfer, coordenador do Grupo de Trabalho criado para aplicar a Lei das Estatais na companhia. Isfer discorreu sobre os debates anteriores e explicou que, no quesito transparência, o índice da empresa passou de 29% para 85%. Sobre ética, explicou: “não se trata somente de não roubar, fraudar, mas também de estar comprometido com a organização e com os resultados esperados de cada um de nós”.

O Controlador Geral do DF, Henrique Moraes Ziller, parabenizou a empresa pela gestão ética e transparente. “Isso é possível com o governo que tem uma orientação ética clara e definida de não pactuação de irregularidades e que, portanto, se abre totalmente a implementação de novas técnicas de controle nas contas públicas e na gestão como um todo”, afirmou.

Para Ziller, não se pode deixar de aproveitar essa oportunidade e de trazer esse benefício e contribuição para a gestão pública no DF, servindo de exemplo para o País. “Me sinto feliz de ter essa oportunidade de estar fazendo esse trabalho e, particularmente, de ter parceiros como o Metrô, que abarcam com alegria essa possibilidade e que tem consciência e responsabilidade”, disse.

Integrante do grupo que desenvolveu a Gestão de Riscos na empresa, o engenheiro Cláudio César de Faria apresentou um resumo sobre as atividades na companhia. Segundo ele, foram identificados somente no Departamento de Manutenção 150 riscos, analisados e avaliados, com recomendações de medidas de tratamento. Faria destacou que isso só foi possível depois que a empresa passou a desempenhar toda a gestão da manutenção do sistema, atividade que vinha sendo desenvolvida pelas empresas terceirizadas, por meio de vários contratos emergenciais.

A diretora executiva da RP Management, Rochana Grossi Freire, destacou o empenho da empresa em identificar os riscos e, com isso, tendo a oportunidade de superar os desafios, uma inovação no sistema metroviário do Brasil e da América Latina. Com a palestra “Gerencie Riscos para Não ter que Administrar Crises”, Rochana apontou que a grande maioria das decisões está associada à incerteza, mas é possível minimizar problemas e até evitar crises. “A gestão de riscos permite gestores mais conscientes, estabelecendo indicadores de desempenho e identificando fatores de risco”, afirmou.

O presidente do Metrô-DF, Marcelo Dourado, disse que empresas como o Metrô precisam ter transparência e coragem para combater a corrupção e posturas antiéticas. “É possível ser uma empresa pública séria, cumprindo todas as exigências legais e com lisura durante os procedimentos licitatórios. A ética começa dentre de casa, com as nossas ações, e é isso o que estamos construindo no Metrô”, finalizou.

Fonte: Via ANPTrilhos

ubm white

   Conectando pessoas e o mercado global

 

UBM é a maior empresa organizadora de eventos B2B no mundo. Nosso profundo conhecimento e paixão pelos setores da indústria que servimos nos permitem criar experiências valiosas onde as pessoas atingem seu sucesso. Em nossos eventos, as pessoas criam relacionamentos, fecham acordos e crescem seus negócios.

Nossos mais de 3.750 funcionários, com sede em mais de 20 países, atendem mais de 50 diferentes setores da indústria. No Brasil atuamos nos setores da saúde, logística, ingredientes alimentícios, construção civil, construção naval e metroferroviária. Essa rede de relacionamento global com pessoas apaixonadas e líderes de eventos oferece oportunidades únicas para que os empresários alcancem suas ambições. .

 

Filiada à     

 ubrafe branco

Newsletter

entrada invalida
entrada invalida
entrada invalida
e-mail invalido
Entrada Inválida